Uma missão experimental japonesa, que visava limpar o lixo espacial da órbita da Terra terminou em fracasso, disseram autoridades na segunda-feira.

Estima-se que mais de 100 milhões de lixo estão passando por todo o planeta, incluindo equipamentos de lançamentos de velhos satélites e pedaços de foguetes, o que, segundo especialistas, pode representar riscos para a exploração espacial futura.

Cientistas da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (Jaxa) estavam tentando testar um “cabo” eletrodinâmico – criado com a ajuda de uma empresa de redes de pesca – para diminuir o lixo orbital e colocá-lo em uma órbita mais baixa.

A esperança era que a bagunça – gerada após 50 anos de exploração espacial – eventualmente entraria na atmosfera da Terra e queimaria inofensivamente antes que tivesse uma chance de bater no planeta.

A amarra de 700 metros – feita a partir de fios finos de aço inoxidável e alumínio – deveria ser estendida de uma nave de carga lançada em dezembro, transportando suprimentos para astronautas na Estação Espacial Internacional.

Problemas surgiram rapidamente, porém, os técnicos tentaram durante dias resolver o problema, mas tiveram apenas uma semana para realizar a missão antes que a nave reentrasse na atmosfera da Terra, antes do amanhecer na segunda-feira.

“Acreditamos que a corda não foi liberada”, disse o principal pesquisador Koichi Inoue. “É certamente decepcionante que nós terminamos a missão sem concluir um dos objetivos principais.”

A decepção é o ultimo fracasso da Jaxa, e ocorreu apenas algumas semanas depois que a agência teve que abortar uma missão que buscava usar um mini-foguete para enviar um satélite em órbita.

A agência também abandonou um satélite lançado em fevereiro do ano passado, depois de perder o contato com a espaçonave, que iri buscar raios-X emanados de buracos negros e galáxias.

Fonte: The Guardian