Após 10 anos de registros do Hubble, a NASA divulgou na semana passada imagens do interior da nebulosa do Caranguejo, e nessa semana pesquisadores divulgaram imagens do interior da nebulosa de Órion.

Isso tudo ocorreu através das lentes da câmera infravermelha HAWK-I, que está em Very Large Telescope, (o telescópio que fica no Chile – ESO, em português, o Observatório Europeu do Sul). E foi assim, que a imagem mais profunda da nebulosa de Órion foi revelada, e acredite, revela muito mais objetos de pouca massa planetária do que era esperado.

Confira o registro da nebulosa de Órion

Amelia Bayo, co-autora do projeto, disse: “Entender como tantos objetos de pouca massa são formados dentro da nebulosa de Órion é muito importante para restringir algumas teorias atuais sobre formação estelar, agora percebemos como esses objetos se formam, e dependem muito do ambiente em que estão inseridos.”

A nebulosa, é formada por gás e poeira estelar, e essa pode ser vista a olho nu da Terra. Fica na constelação de Órion, ela pode ser visível por causa da intensamente com radiação ultravioleta e gás ionizado brilhante.

Confira o registro interno da nebulosa do Caranguejo aqui

Fonte: Aqui, e aqui.