Os planetas se formam a partir de grandes discos de gás e poeira em torno de estrelas, e graças a (ESO) Very Large Telescope do sul do Observatório Europeu (VLT), agora estamos aprendendo muito mais sobre o crescimento de sistemas planetários jovens.

Novo instrumento do ESO, chamado ”Sphere”, foi capaz de observar como três sistemas evoluíram ao longo do tempo, com um deles  mudando em tempo real. Os pesquisadores viram como os planetas podem se esculpir em uma variedade de maneiras imensa. Eles podem formar lacunas, anéis, e até mesmo os braços em espiral.

Nós não sabemos o suficiente sobre formação planetária para descobrir qual a ligação entre as propriedades dos planetas e a forma dos discos, mas instrumentos como SPHERE estão ajudando os cientistas a ter uma melhor compreensão da mesma.

HD 135344B tem uma estrutura espiral devido a grandes exoplanetas formando. ESO / T. Stolker et ai.

HD 135344B tem uma estrutura espiral devido a grandes exoplanetas formando. ESO / T. Stolker et ai.

Disco protoplanetário tendem a ter na maior parte das vezes, estruturas espirais, como HD 135344B, observado por Tomas Stolker do Instituto Anton de Astronomia, na Holanda. A estrela esta a cerca de 450 anos-luz de distância, e seu disco mostra duas grandes variáveis criadas por um ou vários protoplanetas maciços.

Os astrônomos também viram quatro estrias escuras que atravessam o disco, devido a movimentos turbulentos do material, uma dessas quatro faixas notavelmente mudou ao longo dos meses de observações. Esta mudança em tempo real diz aos astrônomos que há efeitos que acontecem em escalas menores que podemos ver, e eles podem desempenhar um papel importante.

Os outros dois discos em vez protoplanetários têm anéis concêntricos. RX J1615, a 600 anos-luz da Terra, foi observado por Jos de Boer, do Observatório de Leiden. O sistema tem sido comparado a uma escala dos anéis de Saturno, e é incrivelmente jovem, cerca de 1,8 milhões de anos de acordo com o estudo. Os anéis podem ser gerados antes mesmo dos próprios planetas serem formados.

Using the ESO’s SPHERE instrument at the Very Large Telescope, a team of astronomer observed the planetary disc surrounding the star RX J1615 which lies in the constellation of Scorpius, 600 light-years from Earth. The observations show a complex system of concentric rings surrounding the young star, forming a shape resembling a titanic version of the rings that encircle Saturn. Such an intricate sculpting of rings in a protoplanetary disc has only been imaged a handful of times before. The central part of the image appears dark because SPHERE blocks out the light from the brilliant central star to reveal the much fainter structures surrounding it.

Disco em torno da jovem estrela RX J1615. ESO / J. de Boer et al.

Uma estrutura similar é a HD 97048, uma estrela jovem á 500 anos-luz de nós. Em um artigo escrito por uma equipe liderada por Christian Ginski, também do Observatório Leiden, os pesquisadores descrevem como o disco que revela quatro lacunas com planetas menores que Júpiter como uma possível causa.

Muitos investigadores planejam investigar mais sistemas como estes. Para trabalhar realmente o que está acontecendo, mas para isso eles precisam de um equipamento mais avançado para trabalhar como o Telescópio Espacial James Webb que será lançado ano que vem.

Via ILScience