No final do ano de 1992, 1.700 cientistas assinaram uma carta intitulada “Alerta à Humanidade” em que avisavam que estamos levando a natureza a limites que logo cedo seriam irreversíveis. Passaram 25 anos desde então e já não são 1.700 os que nos avisam de que vamos rumo ao apocalipse. São 15.365. A lista de pragas alertadas nesta nova carta têm pouca coisa de vaticínios bíblicos. Trata-se de problemas muito reais que não só fizeram piorar em 25 anos que passaram desde a publicação do primeiro alerta.

Desflorestamento, extinção em massa de espécies animais e vegetais, contaminação da água, dano à camada de ozônio, perda de solo fértil e de recursos pesqueiros pela sobre-exploração, aquecimento global e um grande e triste etcétera.

Todos estes problemas não só não foram solucionados, senão que muitos deles pioraram ainda mais, e os assinantes da carta temem que, se seguirmos deste modo, o dano à biosfera de nosso planeta seja tão grave que não será possível consertar e nosso planeta, a única casa que temos, se torne inabitável para a vida tal e como conhecemos.

O problema com a camada de ozônio foi revertido de certo modo, mas as emissões de dióxido de carbono responsáveis pelo aquecimento global avançam a um ritmo galopante. O desflorestamento e o esgotamento dos recursos naturais são os dois problemas de maior envergadura depois das emissões. A carta cita:

“Fracassamos em limitar o crescimento da população e redirigir uma economia baseada no crescimento. Falhado em reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa, em incentivar o uso de energias renováveis, e em proteger ou restaurar os ecossistemas. Não conseguimos frear a poluição nem deter o avanço de espécies invasoras.

A humanidade não está dando os passos necessários para salvaguardar nossa biosfera em perigo. Falhamos miseravelmente em fazer os progressos necessários para resolver estes problemas do meio ambiente, e o mais alarmante é que muitos deles pioraram. Logo será muito tarde para mudar de direção e evitar a trajetória para o abismo.”

As medidas a tomar para frear este curso que nos leva à extinção não são simples. Em sua carta, os 15.365 cientistas citam um pacote de medidas em que todos, governos, empresas e indivíduos, devem tomar parte. Entre as medidas está reduzir o desperdício de alimentos, promover mudanças na dieta para aumentar o consumo de vegetais e reduzir o de carnes, reduzir as taxas de fecundidade da população e equilibrar os recursos para melhorar as condições de vida nas regiões mais desfavorecidas. O documento completo pode ser lido no seguinte endereço: “World Scientists’ Warning to Humanity: A Second Notice“.

Talvez dentro de 25 anos já seja muito tarde para pôr em marcha estas medidas e independente de Nibiru, Planeta X, augúrios maias, a própria raça humana começará a escrever o seu epitáfio apocalíptico que nem o mais conpiranóico dos homens gostaria de acreditar. Está na hora de abrirmos os olhos de verdade para a realidade que estamos construindo: o nosso próprio fim.

Carregando...

Fonte: Quartz